Começa o PIX

Em um mundo no qual a mudança e a evolução da tecnologia se tornaram parte do cotidiano, a inovação é uma constante. E em se tratando de transações financeiras não é diferente, uma vez que o mercado de compras virtuais cresce diariamente, e as formas de pagamento tradicionais já não são suficientes para acompanhar a agilidade do mundo digital. É nesse cenário que surge o Pix, sistema de pagamento que deve substituir gradativamente as transferências (TED e DOC) e boletos bancários

O que é o Pix?

O Pix é um sistema de pagamentos criado pelo Banco Central,anunciado em fevereiro de 2020 e que começa a funcionar em novembro deste mesmo ano. A ideia por trás da inovação é facilitar desde os pagamentos e transferências até o recolhimento de impostos e taxas de serviços. Com o Pix, o tempo de espera pela efetivação dos pagamentos diminui consideravelmente, e acaba a demora nas transações realizadas em feriados e finais de semana.

Além da possibilidade de efetivar pagamentos em até 10 segundos em qualquer horário ou dia da semana, o Pix também acaba com as restrições de valor impostas pelos modelos TED, boleto e DOC e também o custo embutido nessas formas de pagamento, que costuma não ser baixo. Outra novidade interessante é que o novo sistema de pagamentos será gratuito para pessoas físicas realizarem todo tipo de transação, de simples comprar em lojas físicas até pagamento de impostos.

Vantagens do Pix

O Pix tem sete características principais, que também podem ser entendidas como vantagens, já que se traduzem em mais eficiência, praticidade e dinamismo para o dia a dia de quem precisa fazer compras e realizar pagamentos. :

  1. Total flexibilidade de horários, com a possibilidade de fazer pagamentos em qualquer horário e dia;
  2. Velocidade de processamento, com a transferência ocorrendo em até dez segundos;
  3. Experiência de uso intuitiva;
  4. Segurança baseada nas mais modernas tecnologias de proteção de dados;
  5. Disponibilidade de adoção para bancos, financeiras, fintechs e afins;
  6. Uso amplo que permitirá transferências de qualquer valor entre pessoas ou empresas, seja para pagamentos em lojas físicas ou virtuais, além de poder ser usado no recolhimento de impostos;
  7. Fluxo de dados com informações agregadas, que poderão trafegar com a ordem de pagamento.

Mas de nada adianta conhecer as vantagens do Pix sem entender como os pagamentos são feitos na prática. E é justamente isso que descobriremos a seguir:

Como fazer pagamentos com o Pix?

O Pix poderá ser usado para os mais variados tipos de pagamentos, de forma extremamente simples: quem recebe informa a chave cadastrada ou QR Code, e quem paga simplesmente acessa o aplicativo do banco, realizando o pagamento de forma totalmente automatizada, sem burocracia ou complicações como preenchimento de dados ou fornecimento de senhas. É como enviar um e-mail ou mensagem de texto, mas no lugar do endereço de correio eletrônico ou o número de telefone do destinatário, é inserida a chave.

Chaves Pix

Por falar nas chaves, é bom lembrar que elas são fundamentais para o funcionamento do Pix. Elas substituem todos os dados burocráticos, como numerações de bancos e agências, CPF ou CNPJ do favorecido e etc. A chave Pix funciona como uma identidade por meio da qual fica garantido que o favorecido receberá a quantia devida. Ela fica vinculada ao banco no qual está cadastrada, e portanto não poderá ser utilizada para transações feitas em outras instituições. Mas existe a possibilidade de fazer a portabilidade das chaves entre instituições, o que facilita muito a vida de quem tem conta em mais de um banco, por exemplo. Cada pessoa física poderá registrar até cinco chaves por conta:

  • CPF;
  • Número de telefone;
  • E-mail;
  • Combinação numérica.

QR Code e NFC

Os QR Codes já são velhos conhecidos do público, e o Pix funciona tanto com QR Codes dinâmicos quanto com estáticos. Enquanto os primeiros mudam a cada transação feita, os segundos podem ser utilizados em diversas transações, podendo ou não ter um valor pré estabelecido no próprio código. O funcionamento é idêntico ao de qualquer outro código QR: trata-se simplesmente de apontar a câmera do celular e fazer o pagamento.

Além dos QR Codes, o Pix também deve funcionar com sistemas de pagamento sem contato, pelo NFC. A lógica é a mesma por trás dos QR Codes, mas com maior agilidade: não é preciso fotografar nada, basta aproximar o smartphone e o aparelho faz todo serviço.

Um caixa eletrônico a cada esquina

Como Pix, os saques devem ganhar muito mais dinamismo e praticidade, já que o sistema permitirá sacar dinheiro não só nos tradicionais caixas 24 horas e terminais de auto atendimento, mas também em qualquer estabelecimento comercial que adote a tecnologia: o usuário pode fazer uma transferência para qualquer estabelecimento – de restaurantes a lojas de roupas ou eletrônicos – e receber o dinheiro em espécie na hora. Mas atenção: esta funcionalidade não deve estar presente desde o início das operações do novo sistema.

Vale a pena adotar o Pix?

Muita gente já está adotando a novidade, mas ainda existem aqueles que preferem ver o Pix em funcionamento antes de optar por ele. Ao que tudo indica, o Pix deve ser seguro, simples e prático em seu uso, facilitando a vida de milhões de pessoas e empresas. E você, o que acha desta nova forma de pagamento? Já adotou o Pix, ou pretende esperar? Seja qual for sua decisão, fique ligado para novos conteúdos sobre segurança em pagamentos digitais aqui no nosso blog!

 

Artigos recomendados